EVANGELHO E PAZ - Emmanuel

Jefferson Severino - 15/11/2019 SC 01571 JP

EVANGELHO E PAZ
Emmanuel

 
Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vô-la dou como o mundo a dá. Jesus. (João, 14:27)
 
O bem semeia a vida, o mal semeia a morte. O primeiro é o movimento evolutivo na escala ascensional para a Divindade, o segundo é a estagnação.
 
O problema da paz é questão de fraternidade, em todas as latitudes.
 
E o Evangelho do Cristo constitui o manancial divino, em cujas correntes de água viva pode o coração renovar-se para a vitória do legítimo entendimento.
 
Guerras, discórdias, crises, representam a resultante da grande desarmonia que a ausência do amor estabeleceu no caminho da inteligência.
 
A concórdia real jamais será incubada por decretos políticos ou por princípios apressados de filosofia salvacionista, nas relações dos homens entre si, e para a harmonia individual não valem tão somente a argumentação da psiquiatria e as descobertas preciosas da ciência médica.
 
A incompreensão das criaturas torna sombrios todos os caminhos da Terra e o viajor da carne sofre a influenciação da angústia que ele mesmo projeta.
 
Outro recurso não nos resta, além daquele que condiz com a justa retificação.
 
O Grande Médico e Sublime Renovador do mundo ainda é o Cristo que revelou o mistério do sacrifício pessoal por lição inesquecível de ressurreição e triunfo.
 
Ajuda ao que te persegue e calunia.
 
Ora pelos que te odeiam.
 
Serve sem aguardar retribuição.
 
Renuncia a ti mesmo, toma a cruz da abnegação em favor dos que te cercam e segue, de ânimo robusto, para diante.
 
Se procuras o primeiro lugar, sê o dedicado servo de todos. 
 
Àquele que te pede a capa, dá igualmente a túnica.
 
Ao que te exigir a jornada de mil passos, caminha com ele dois mil.
 
Semelhantes ensinamentos pairam sobre a fronte da Humanidade, concitando-a à vida nova.
 
A organização mental é um instrumento que, ajustado ao Evangelho, deixa escapar às vibrações harmônicas do amor, sem cujo domínio a vida em si prosseguirá desequilibrada, fora dos objetivos superiores, a que indiscutivelmente se destina.
 
Há produção de pensamentos no mundo, como existe a produção de flores e batatas.
 
Criamos, em torno de nós, a atmosfera de ordem ou perturbação, quanto incentivamos a seara de trigo ou suportamos, por relaxamento, a colheita compulsória de ervas daninhas.
 
Induzindo-nos ao trabalho construtivo com bases no devotamento pessoal pelo bem de todos, a mensagem de Jesus compele-nos a irradiar fé e paciência, serenidade e bom ânimo, com atividade plena e infatigável a benefício da alegria comum.
 
Habituamo-nos, assim, a compreender as necessidades do vizinho, guardando um coração educado para auxiliar sempre, cedendo de nosso egoísmo ao alheio contentamento.
 
Sob tais moldes, a experiência do lar é mais sadia e mais nobre, o clima de confiança possibilita sólidos alicerces à felicidade e caminhamos para a frente de espírito arejado, pronto a socorrer todas as dores e a contribuir na equação dos problemas de quantos procuram a bênção do progresso junto de nós.
 
A comunhão com Jesus sublima as secreções ocultas da alma, proporcionando-nos acesso fácil ao manancial de forças renovadoras do ser ou de hormônios espirituais da vida eterna.
 
Afeiçoando-nos ao Mestre Sublime, seremos verdadeiros irmãos uns dos outros.
 
Em nosso coração e em nossa mente reside a sementeira da luz.
 
Auxiliando-a com a boa vontade, sob a inspiração ativa e constante da Boa Nova, no esforço mútuo de compreensão das nossas necessidades e problemas que exigem o concurso incessante do amor, alcançaremos, mais cedo, a vitória da saúde e da alegria, do aperfeiçoamento e da redenção.
 
Emmanuel
Psicografia de Francisco Cândido Xavie
Livro: Nosso Livro 
 
 
 




« Leia outros artigos