Em dois jejuns permanentes - Ramiro Gama

Jefferson Severino - 27/10/2019 SC 01571 JP

Em dois jejuns permanentes
Ramiro Gama

 
Se faz jejum espiritual constantemente, refreando a língua, cui­dando do pensamento, vigiando os olhos e demais sentidos, para não perder a assistência de seus Mentores, o Chico também faz o jejum material abstendo-se de comer o que gosta e lhe faz mal.
 
Há tempos, foi vítima de uma cólica hepática que lhe amargou a existência por dois meses e fê-lo rolar de dor, no quintal de sua casa.
 
José Xavier, que foi seu irmão na Terra e que, hoje, no Além, o ajuda na Missão mediúnica, recomendou-lhe que se alimentasse uma só vez por dia e mesmo assim de chuchus, batatas, pouquíssima carne e cozida em água e sal, e, à tarde, que tomasse, tão somente, uma chávena de chá com UMA bolacha apenas.
 
Sofreu o Chico bastante com a dieta recomendada.
 
Uma de suas irmãs, às vezes, tentava-o com lhe oferecer um pastel delicioso.
 
Ele aceitava-o, esfregava-o nos lábios e, depois, arrependido, jogava-o às galinhas.
 
Hoje, graças ao seu poder de vontade e à ajuda de seus Amigos da Espiritualidade, está curado.
 
Venceu a dolorosa prova da alimen­tação. De 99 quilos passou para 74.
 
Sente-se mais leve, com melhor saúde e sem a repetição das cólicas.
 
Deus ajuda quem faz por onde.
 
Belo exemplo, para todos nós, que nos achamos apegados a tantas coisas inúteis e nem sempre damos o primeiro passo para delas nos libertarmos como um preparo à vida espiritual, que nos espera e onde tudo é ESPIRITUALIDADE.
 
Ramiro Gama
Do livro: Lindos Casos de Chico Xavier
 
 




« Leia outros artigos