COLHER E GARGANTA - Hilário Silva

Jefferson Severino - 31/01/2019 SC 01571 JP

COLHER E GARGANTA
Hilário Silva

 
            Imaginemos a língua como sendo a colher do sentimento.
 
            Mentalizemos o ouvido por garganta da alma.
 
            Tudo o que falamos é ingrediente para a digestão espiritual.
 
            Bondade é pão invisível.
 
            Gentileza é água pura.
 
            Otimismo é reconstituinte.
 
            Consolação é analgésico.
 
            Esclarecimento construtivo é vitamina mental.
 
            Paciência é antitóxico.
 
            Perdão é cirurgia reajustante.
 
            Queixa é vinagre.
 
            Censura é pimenta.
 
            Crueldade é veneno.
 
            Calúnia é corrosivo.
 
            Conversa inútil é excedente enfermiço.
 
            Maledicência é comida deteriorada.
 
            Falando, edificamos.
 
            Falando, destruímos.
 
            Falando, ferimos.
 
            Falando, medicamos.
 
            Falando, curamos.
 
            Disse o Divino Mestre: “Bem-aventurados os pacificadores...”
 
            Usemos para com os outros o alimento da paz, porque, estendendo paz aos outros, asseguramos paz a nós mesmos.
 
            E, com a paz, conseguiremos possuir espaço e tempo terrestres, em dimensões maiores, para que aprendamos e possamos, realmente, servir.
 
Hilário Silva
Do livro: O Espírito da Verdade
Psicografia de Chico Xavier
 
 
 
 
 
 
 




« Leia outros artigos