O LIVRO ESPÍRITA - Marcial Jardim

Jefferson Severino - 24/01/2019 SC 01571 JP

O LIVRO ESPÍRITA
Marcial Jardim 

 
          Ao transitarmos pelas estradas do mundo, vivenciando as mais diversas experiências que, sem tréguas, desfilam diante dos nossos sentidos, eis-nos, de repente, parados diante de caprichosa e sugestiva vitrine de uma livraria, impactados que fomos pela capa de determinado livro cujo título e ilustração nos seduziram, a ponto de sentirmo-nos impulsionados a adquirir um exemplar.
 
          Devidamente motivados, adentramos o estabelecimento comercial, encaminhando-nos em direção ao livro para, em seguida, tomá-lo em nossas mãos, ávidos por folhear-lhe algumas páginas e, assim, mantermos o primeiro e superficial contato com o seu interior, amainando a nossa momentânea curiosidade.
 
          Tendo o livro já em mãos, passamos a manusear-lhe as páginas, quando, então, nos deparamos com o prefácio da obra, cujos dizeres, resumidamente, intentam retratar-lhe o teor, aguçando anda mais o nosso desejo de comprá-lo.
 
           Assim estimulados, aquirimos um exemplar, esperançosos de virmos a desfrutar momentos agradáveis em sua companhia, deliciando-nos com sua leitura. De retorno ao lar, confortavelmente acomodados, abrimos o livro, quando então nossos olhos iniciam um prazeroso passeio por sobre suas linhas, parágrafos, capítulos, saboreando o começo do enredo, sequiosos por conhecer-lhe a essência, imaginando o epílogo.
 
          Porém, casados pela labuta intensa do dia, vamos percebendo, aos poucos, nossos olhos se fechando, impossibilitando-nos de dar continuidade à gratificante leitura, deixando-nos por fim enlaçar pelo sono reconfortante e apaziguador.
 
          Na sequência dos dias, à mercê das incontáveis responsabilidades que a vida nos impõe, e por elas monitorados, não raro, acabamos por deixar para uma outra oportunidade, um outro momento, a referida leitura que tão somente havíamos iniciado.
 
          Desta forma agindo, transferimos para nosso amanhã o que poderíamos ter feito hoje, deixando, por consequência, de nos enriquecer espiritualmente.
 
          Inconstantes e distraídos quanto aos tesouros espirituais, nem notamos as horas, os dias, as semanas passarem, enquanto o livro permanece em nosso criado-mudo, como que aguardando pacientemente que o tomemos nas mãos outra vez, dando assim continuidade à sua leitura. Contudo, por vezes, ainda seduzidos pelos sutis, superficiais e enganadores chamamentos do mundo, o deixamos solitário, bem ao nosso lado, para sabe-se lá quando o tomarmos de novo nas mãos, desfrutando seu rico conteúdo.
 
          Entretanto, ao sermos impactados pelos ditames da vida, entristecidos e decepcionados, ávidos e esperançosos, voltamos a recorrer ao Livro Espírita que, há tempos, havíamos esquecido e, ao abri-lo, como que humildemente e sem ressentimento, ele nos presenteia com suas luzes, alumiando a nossa alma, arrefecendo as nossas dores, dando-nos força para continuarmos nossa caminhada, deixando-nos bem claro que os infortúnios e os difíceis momentos haverão de passar, devolvendo-nos as esperanças no porvir.
 
          Assim sendo, caro leitor, tenhamos a certeza de que no Livro Espírita, em suas páginas de Luz, haveremos de nos encontrar com o Divino Amigo Jesus!    
 
Marcial Jardim 
Do livro:  Ainda Há Tempo... Aceleremos os Passos




« Leia outros artigos