LOCAL DE ENCONTRO. POR QUE NO CEMITÉRIO ? Momento Espírita

Jefferson Severino - 07/01/2019 SC 01571 JP

LOCAL DE ENCONTRO. POR QUE NO CEMITÉRIO ?
Momento Espírita
 
      Quando você deseja marcar um encontro, que lugar você escolhe?
 
      A pergunta tem várias respostas, com certeza, dependendo a quem é dirigida.
 
      Se a dirigirmos a um casal de namorados, escolherão o local mais romântico. Talvez um lago, num cair de tarde, que lhes permita observar, enlaçados, o declinar do sol em sua carruagem dourada, a tingir-se com as cores de um rubi.
 
      Por sua vez, os amigos preferem lugares onde possam estar devidamente acomodados, todos juntos.
 
      Um local que lhes permita rir, brincar, conversar, até mesmo num tom um pouco mais alto do que o habitual. Tudo para dar expansão à alegria que sentem em compartilhar, conviver.
 
      Os adolescentes escolherão shoppings, praças de alimentação, uma praia ensolarada, mar aberto.
 
      Para eles, estar com os companheiros é excelente oportunidade de fazer brincadeiras, gritar, exercitar-se, demonstrar as suas habilidades.
 
      As pessoas mais idosas escolherão lugares mais calmos, que lhes permitam cultivar a nostalgia da boa música do seu tempo de juventude.
 
      Uma família desejará local mais amplo, que permita abrigar a todos: pais, avós, filhos, irmãos. E os namorados e namoradas dos filhos, naturalmente.
 
      Como se vê, sempre, para os encontros, preferimos lugares aprazíveis, que nos falem de bem estar, tranquilidade, alegria.
 
      De forma muito paradoxal, quando os nossos amores partem para a outra vida, escolhemos o lugar mais triste para os reencontros: o cemitério.
 
      Ali, onde estão sepultados os restos mortais, é que marcamos encontro. Ali levamos flores.
 
      No túmulo deles, que é onde, de certa forma, ficamos a cogitar eles estejam.
 
*   *   *
 
      Se amamos os nossos afetos, não os vinculemos ao cemitério. Concedamos-lhes a liberdade. Que eles possam desfrutar das venturas da vida espiritual.
 
      Iremos ao cemitério, sim, para a limpeza, a conservação. Jamais para reencontros. Esses, façamo-los na intimidade do nosso coração, adornando-o com as nossas melhores vibrações.
 
      Ofereçamos as flores da nossa afeição e, se desejarmos, as do nosso jardim.
 
      Poderemos contemplá-las nas roseiras e as ofertar ou, se preferirmos, colocá-las num vaso, em nossa sala.
 
      Nossos amores, onde quer que estejam, sentirão o perfume que os haverá de envolver, enquanto os abraçamos, com toda ternura, como sempre o fizemos, no cantinho secreto do nosso amor.
 
 
Redação do Momento Espírita




« Leia outros artigos