GUERRAS, INJUSTIÇAS E REENCARNAÇÃO - Irmão José

Jefferson Severino - 05/11/2018 SC 01571 JP

GUERRAS, INJUSTIÇAS E REENCARNAÇÃO
Irmão José  

 
Muitas crianças e mulheres, completamente sem rumo, pela intervenção magnética destes seareiros do Mais Alto, eram induzidas a sono reparador. Evidentemente, isto acontecia quando tais espíritos, por si mesmos, não caíam em indefinido estado letárgico, à espera de uma nova existência no corpo carnal, que, em circunstâncias imprevisíveis, poderia acontecer em tempo mais curto ou longo.
 
Aliás, com a invasão dos romanos, que permaneceram acampados no território da Gália por mais de dois anos, com muitos deles, no período de pós-guerra, continuando por lá com o intuito de consolidar sua conquista, as mulheres gaulesas sobreviventes, engravidando-se deles, possibilitavam que muitos romanos mortos na batalha reencarnassem na condição de seus filhos. Pela Lei de Compensação, renasceriam para defender a terra que tudo haviam feito para arrasar, inclusive aprendendo a falar no idioma que tencionaram fazer emudecer!
 
Outro curioso fenômeno, igualmente, podia ser observado com muitos gauleses fora do corpo, que, agarrando-se psiquicamente aos seus algozes, os acompanhavam de volta a Roma, tendo oportunidade de atravessar a fronteira, sem que ninguém os impedisse e, por artimanhas do destino, reencarnar como seus herdeiros na futura capital do Império que pretendera dominar o mundo.
 
Pode-se, portanto, afirmar que a Itália, na atualidade, é constituída por muito poucos italianos genuínos, visto que, quanto mais invadiam e submetiam outros povos, os romanos mais ensejavam o fenômeno da miscigenação das raças.
 
Abençoada Lei, a da Reencarnação, através da qual a Sabedoria Divina faz com que todas as injustiças humanas, a partir de si mesmas, e com o concurso paciente do tempo, sejam reparadas!
 
Há milhares de anos, Hermes Trimegisto ensinava: “Ó Asclépio, toda alma humana é imortal, mas não são todas do mesmo modo: diferem segundo o modo e o tempo”!
 
Muitos dos índios que foram massacrados pelos ingleses na colonização dos Estados Unidos da América do Norte, tendo as suas terras usurpadas por eles, adquiriram a cor de sua tez e aprenderam a falar a sua língua, através do ventre de suas mães civilizadas, voltando para herdar o que, em verdade, sempre lhes pertenceu.     
 
Irmão José
Do livro:  Nos Céus da Gália
Psicografia de Carlos A. Baccelli




« Leia outros artigos