SOBRE MANADAS E LIDERANÇAS - por Humberto Ellery

Jefferson Severino - 12/06/2018 SC 01571 JP

SOBRE MANADAS E LIDERANÇAS 
por Humberto Ellery

 
Meus caros, ao tomar conhecimento da última pesquisa de opinião, que dá ao Presidente Temer 87% de desaprovação, e apenas 3% de aprovação, não pude deixar de recordar o Festival de Musica Popular Brasileira de 1966, quando a musica ¨Disparada¨, de Geraldo Vandré e Théo de Barros foi alvo de uma das maiores consagrações por parte do público presente no Teatro Record em São Paulo, num empate sensacional com ¨A Banda¨ do Chico Buarque de Holanda.
 
A letra da canção é muito enfática em demonstrar o que as esquerdas pensam (e fazem) a respeito de seus seguidores. Na boiada já fui boi, mas um dia me montei, onde o povo, em nome de quem juram lutar, não passa de uma manada de bois, e quando alguém se sobressai sobre os demais é promovido a condutor de boiadas, o boiadeiro, cujo laço firme e braço forte, segura muito gado muita gente, pois boiadeiro é um Rei.
 
Apesar de cantar que gado a gente marca, tange, ferra, engorda e mata, mas com gente é diferente, eu gostaria que alguém me mostrasse essa diferença, pois agora mesmo nós vimos o gado/gente apoiando a greve dos caminhoneiros, inclusive pequenos produtores rurais, oferecendo lanche, abrigo e toda força aos responsáveis pelo infarto das artérias do País, e quando viram suas aves, porcos e demais pequenos animais morrendo de fome, suas frutas, legumes e hortaliças apodrecendo nos pomares, começaram a gritar e gemer de dor. Lembrei dos gnus africanos que para seguir a manada se atiram nos rios, onde muitos são estraçalhados pelas mandíbulas poderosas dos crocodilos. Qual a diferença? Apenas no resultado final, pois vários gnus morrem, e o gado/gente sobrevive.  
 
O verso final, então, é um primor de ¨liderança¨, quando avisa que se você não concordar vou deixar você de lado, vou pegar minha viola, vou cantar noutro lugar. Significa simplesmente que o condutor de gado e gente não aceita o diálogo, a discordância, o debate, ou você aceita ser gado e vai seguir a canção (Caminhando e cantando ... , Festival de MPB de 1968) ou é descartado.
 
Sem querer tripudiar relembro que nos primeiros anos do governo Lula, quando ele tinha 85% de aprovação e apenas 5% de desaprovação eu estava nos 5%. Hoje os componentes da manada de 85% têm que me engolir (como diria o Zagalo), uma vez que seu grande líder, seu condutor da boiada, está preso por corrupção. Se Deus me conceder mais uns doze anos de vida (terei 85,com lucidez) espero poder encontrar os componentes dessa manada de 87%, pois , outra vez estou na minoria dos 3%, e a manada só percebe a presença dos crocodilos quando já é tarde demais. 
 
Como Chesterton, também reivindico ter sempre a melhor opinião sobre qualquer assunto, não por arrogância, não por me achar um iluminado que está sempre certo, mas, por pura humildade, estou sempre disposto a mudar minha opinião por uma melhor, e costumo formar minhas opiniões utilizando meu próprio cérebro, meus próprios princípios éticos e morais, não os dos (de)formadores de opinião da mídia, em sua grande maioria esquerdistas/petistas. Quem vai pela cabeça dos outros é piolho!
 
Vejo no Presidente Temer um governante que recebeu , ele sim, uma herança maldita, um país destroçado por treze anos de descalabros petistas, e em menos de dois anos derrubou a inflação, baixou a SELIC, tirou o Brasil da pior recessão da história, tudo com preços e câmbio livres, corrigiu distorções e desvios no Bolsa-Família, no FIES, no Ensino Médio, na Lei Rouanet (para o ódio eterno de artistas outonais que ali se locupletavam) limitou os gastos públicos, recuperou as estatais, transformou a TJLP em TLP (pena que pouquíssimas pessoas entendam o expressivo alcance dessa medida para o controle da dívida pública, e este espaço é muito pequeno para que eu explique), outro dado que pouquíssimos entendem, o índice BOVESPA, quando o Temer assumiu a presidência,  estava em torno de 40 mil pontos e descendo, hoje já passamos dos 86 mil pontos e a caminho dos cem mil pontos. 
 
Tudo isso e muito mais apesar da implacável perseguição de um MPF petista, com um Janot disposto a se vingar da sua não recondução à chefia do parquet, um STF em que dos onze ministros oito eram petista (hoje, com a morte do Teori Zavascki são sete), uma PF infiltrada de lulopetistas, tendo ademais contra si uma mídia fortemente lulista, uma Universidade e uma intelligentsia marxistas até o tutano, uma enorme quantidade de petistas cheios de ódio e rancor pelo ¨golpista¨Temer, que lhes arrancou o osso da boca, uma ¨máquina de assassinar reputações¨em pleno funcionamento, e uma manada ignara pronta a seguir o berrante no rumo do abismo, completamente hipnotizada pelas redes (anti)sociais.
 
Manadas, para mim, nem como boiadeiro, só participo de grupos em que se exerça o diálogo, o debate, a contestação, mesmo porque¨líder inconteste¨é apenas um título pomposo para condutor de manadas. 
 
Humberto Ellery
hg.ellery@hotmail.com




« Leia outros artigos