IMPUNIDADE X LINCHAMENTO - por Humberto Elery

Jefferson Severino - 07/04/2018 SC 01571 JP

IMPUNIDADE X LINCHAMENTO
por Humberto Elery

 

Meus caros, antes de qualquer comentário quero deixar bem claras duas constatações: em primeiro lugar NUNCA VOTEI NO LULA !
 
em segundo lugar, mas ainda mais importante, eu o considero o personagem mais pernicioso da história do Brasil em todos os tempos. 
 
Esses crimezinhos pelos quais ele está sendo preso, o tal triplex e o sítio em Atibaia, não são nada comparados ao mal que ele fez ao dividir o País em ¨nós x eles¨, lançou a sociedade numa cizânia que está destruindo relacionamentos, gerando um ambiente de agressões estúpidas nas redes sociais, transformando um país bem humorado e feliz numa verdadeira caldeira preste a explodir de tanto ódio e rancor. 
 
Sem contar o verdadeiro crime de lesa-pátria que foi a transferência de nossa Refinaria para o índio cocaleiro, e sair a¨financiar¨obras de infra estrutura com o nosso pouco dinheiro pelos países ¨cumpanheiros¨.
 
Por tudo isso, quando começou a Operação Lava-Jato conduzida pelo Juíz Sérgio Moro, que ainda tem o meu respeito por considerá-lo honesto e bem intencionado, fiquei na esperança de ver o pleno funcionamento da Justiça, com J maiúsculo, com a CF88 e os códigos sendo cumpridos à risca, os procuradores, juízes e ministros ¨falando apenas nos autos¨,mostrando uma maturidade institucional que sempre sonhei para o meu País. 
 
Infelizmente não é o que estou vendo. 
 
Uma vaidade tão intensa, que quase se pode apalpá-la, envolveu os diversos protagonistas da Operação onde todos, procuradores, juízes e ministros se esmeram em jogar para a platéia sedenta de sangue, cada um querendo se mostrar mais douto e rigoroso ao distribuir justiça, atiçando ainda mais o insuportável ambiente de Coliseu Romano.
 
Eu, que não sou jurista, mas conheço o significado das palavras vernáculas, não consigo entender de outra maneira que ¨ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória¨. Até uma ministra dizer que concordava com o preceito constitucional, mas votava contra o habeas corpus em respeito à maioria, maioria essa que se tornaria minoria se ela votasse segundo o seu entendimento. Vai entender!
 
Eu já disse que sou infenso ao sentimento de schadenfreude, não me regozijo com a desgraça alheia. Mas o que verdadeiramente me entristece, ao presenciar esta verdadeira pantomima em que se transformou a prisão do Lula, é a soma de atropelos à CF88, aos códigos, a falta de respeito aos direitos do condenado, a celeridade do TRF4, que bateu todos os recordes para chegar rapidamente à condenação, em que uma frase da sentença do Juíz Moro é emblemática. Ele afirma que ¨hipotéticos embargos de declaração constituem apenas uma patologia protelatória que deveria ser eliminada do mundo jurídico¨.
 
Eu concordo plenamente com a tese, mas se a patologia protelatória não foi ainda eliminada do mundo jurídico, como ele mesmo admite, não cabe a ele eliminá-la, mas atendê-la. Qualquer mudança nas leis para aperfeiçoá-las, eliminando patologias, cabe exclusivamente ao Poder Legislativo.
 
Para encerrar eu afirmo que acredito na culpa do Lula, acho que deve pagar por seus crimes na cadeia, apenas gostaria de ter visto isso sem as demonstrações de açodamento e atropelos às leis, mas de forma limpa e insofismável.
 
Impunidade não é Justiça. Linchamento também não!
 
Humberto Ellery
hg.ellery@hotmail.com




« Leia outros artigos