REAÇÃO - Emmanuel

Jefferson Severino - 27/02/2018 SC 01571 JP

REAÇÃO
Emmanuel

 
Observa as flores humanas que assomam chorando nos torturados berços do sofrimento.
 
Feridas congeniais lhes assinalam a contextura.
 
Despontam na árvore familiar, agitadas pela ventanias de agitadas flagelações, reclamando assistência e socorro, compaixão e entendimento.
 
Diante delas, muita vez, o filósofo invigilante recusa a fé no burilamento final do gênero humano, e o religioso incompleto começa a indagar, sem razão, quanto a eqüidade na Justiça de Deus.
 
É que nessas criancinhas, sob o ferrete da expiação, voltam ao campo da experiência terrestre quantos se fizeram no mundo instrumentos da crueldade para os outros e para consigo mesmos.
 
Aqui é o juiz venal que regressa com o cérebro embaciado, incapaz do pensamento correto.
 
Ali, é o cirurgião que abusou dos próprios recursos, para estender homicídios inconfessáveis, reaparecendo sem mãos para novas lutas na vida.
 
Acolá, encontraremos o esportista elegante que se valeu de dons respeitáveis para furtar a felicidade dos outros, retomando o indumento carnal com as doenças inquietantes a lhe curar os centros nervosos intoxicados por ele mesmo, e, mais adiante, surpreendemos a mulher vaidosa e insensata, que aproveitou a própria beleza para destruir a paz de lares promissores, ressurgindo no corpo retardado e disforme para rude estação na penúria e na idiotia.
 
Diante do berço martirizado, lembremos as nossas próprias dívidas e auxiliemos as avezinhas do infortúnio a refazerem as próprias asas, no visco de provação a que se atiraram, desprevenidas, porque todos detemos compromissos enormes na Contabilidade Divina e todos, no mesmo tempo justo, seremos inevitavelmente chamados ao justo acerto, necessitando igualmente da dor mais alta, a fim de que sejamos conduzidos à harmonia maior.
 
Emmanuel
Do livro Plantão da Paz
Psicografia Francisco Cândido Xavier
 




« Leia outros artigos