OFERENDA - Aura Celeste

Jefferson Severino - 22/02/2018 SC 01571 JP

OFERENDA
Aura Celeste

 

Meu pequenino rei.
 
Permita que a minha ternura atapete os caminhos para que os cardos ocultos no pó não magoem os seus pés. Coloco na poeira das estradas os melhores tecidos que a minha devotada assistência possa produzir, a fim de que você alcance o cume dourado do seu destino.
 
Enquanto voe é livre e detém os tesouros da pureza nos cofres do coração, escute a melodia do Senhor da Vida a fluir pela boca tarjada de luz de quem lhe ensina a orar.
 
Abra a porta das emoções e receba as impressões valiosas e inextinguíveis da fé, que essas vestais zelosas - as evangelizadoras - tentam depositar, quais moedas luminosas, no altar de sua alma.
 
Longe do seu sorriso há tormentas avassalando outros pequeninos reis que perdem o trono da infância, em fragorosas batalhas sem nome.
 
Perto dos seus olhinhos que conseguem ver, embora você não possa compreender, há muito luto e dor ameaçando o seu reino - o nosso jardim de amor!
 
Por isso, aqui estou como serva junto de você, oferecendo as minhas experiências de mãe, para que a vitória lhe coroe a luta, facultando ao seu Espírito uma entrada triunfal no pomar dos homens.
 
Conduza a lâmpada do meu amor, enriqueça-se de amor por todos, e ódio algum derramará treva nas veredas por onde passará.
 
Guarde o meu zelo nas suas mãos e vá derramando bondade por onde passe, mitigando a sede de um viajor ou diminuindo a canícula num débil arbusto através das gotas do seu carinho, e você não despertará jamais sobre os espinheiros de remorso ou coberto pelas cinzas da ilusão destruída.
 
Haura na minha fraqueza todas as forças que reservei, não permitindo que o tempo as consumisse, para que você possa resistir a todos os males.
 
Seja bom quando todos forem maus.
 
Seja justo quando a impiedade e o crime se abraçarem à injustiça, num reino de perversidade.
 
Seja honrado quando o dever esteja a se consumir na volúpia dos infelizes.
 
Seja amigo quando encontrar aflição e abandono.
 
Seja irmão de toda dor quando o desespero triunfar no reduto dos corações.
 
E conserve o tesouro que hoje lhe cega, na oferenda da minha devoção de mãe, através da harmonia que a evangelização produz na sua alma, preparando-o para os revezes e triunfos da vida.
 
Meu pequenino rei, o mundo é nossa escola! Respeite-lhe as lições e entesoure os valores desconhecidos da humildade e da renunciação.
 
Passaremos pelos rumos da Terra como aromas desconhecidos pelos bosques em festa.
 
Não se aflija quando perder para outrem...
 
Nunca se entristeça porque o triunfo da facilidade não o chamou à glória, na festa da fantasia...
 
Hoje falam doces vozes traduzindo o murmúrio dos Céus para os seus ouvidos atentos. Amanhã você transformará as harmonias da Terra em hinos de louvor aos Céus, ajudando as almas do mundo.
 
Identifique, agora, a claridade e siga, meu doce reizinho, para o seu destino servindo e passando em nome dAquele que desde já nos chama para o caminho da Vida Maior.
 
Procurarei seguir com você, tornando às estrelas do firmamento bagas de argêntea luz para adornar sua cabeça e balsamizar as feridas, que um dia, porventura, venham a nascer no seu coração!
 
Aura Celeste
Texto extraído do livro Crestomatia da Imortalidade
Psicografia Divaldo Pereira Franco
 




« Leia outros artigos