A REFORMA DA PREVIDÊNCIA - por Humberto Ellery

Jefferson Severino - 12/02/2018 SC 01571 JP

A REFORMA DA PREVIDÊNCIA 
por Humberto Ellery

 

 
Meus caros, a não ser os portadores da famosa ¨cegueira ideológica¨, os parvos, e os que estão a defender seus privilégios (que vão, sim, perdê-los), quem está contra a Reforma da Previdência está agindo de má fé!
 
Não é necessário ter acesso às contas de receitas e despesas do INSS para perceber que a nossa Previdência, baseada num sistema de partição simples, onde as contribuições dos trabalhadores em atividade pagam as aposentadorias dos inativos, não se sustenta ao longo do tempo, basta saber um pouco de aritmética elementar.
 
Um exemplo bem simples, para os menos afeitos às asperezas da Matemática, mostra que:
 
se dez trabalhadores em atividade descontarem todo mês 10% de seus ganhos, o arrecadado, 100%, isto é: um salário, dá pra ¨sustentar¨ um inativo por mês. No momento em que um desses dez ativos vier a se aposentar, o grupo de nove restantes só conseguirá arrecadar 90% de um salário, para dividir com agora dois inativos, 45% pra cada um, menos de meio salário. No limite, com o aumento da expectativa de vida da população, e o inexorável aumento da quantidade de idosos em relação aos jovens, teremos mais inativos que trabalhadores em atividade. E aí?
 
Outro exemplo bem ¨rudimentar¨, como diria a Dilma: o trabalhador inicia sua atividade aos 20 anos, contribuindo com 7,69% de seu salário, todo mês,  para construir seu ¨pé-de-meia¨para a futura aposentadoria. Isto é: a cada ano (incluindo o 13º salário) ele consegue ¨juntar¨ 100%,ou seja:um salário           (7,69%  X  13 = 99,97%). Depois de quarenta anos de contribuição, ele já terá 60 anos de idade e terá amealhado 40 salários. Terá portanto quarenta meses (três anos e quatro meses) de salários garantidos, depois tem que morrer, aos sessenta e três anos e quatro meses.Se quiser aumentar a contribuição mensal para 15,38% (o dobro), poderá usufruir também o dobro, poderá viver até os sessenta e seis anos e oito meses. Se pretender viver mais um pouco pode trabalhar mais dez anos, até os 70 (como eu fiz), ganhará mais vinte meses de vida. Não bota nos oitenta, que tal? 
 
Mas os últimos movimentos do Poder Judiciário, dos Procuradores e outros privilegiados, me deram a esperança de que a Reforma vai ser aprovada, creio que o Governo já tem os 308 votos na Câmara dos Deputados. Digo isso porque o ativismo político dos ¨salvadores da Pátria¨está mais afoito que nunca, parece que bateu um desespero. Sem esquecer que a primeira votação da Reforma estava prevista para o dia 18 de maio de 2017, então o Rodrigo Enganot, mancomunado com o Joesley e o Lauro Jardim da Globo, tumultuou o cenário político com aquela denuncia contra o Temer justamente na véspera, 17 de maio. A tal denuncia, da qual o PGR, cinicamente, confessou que não tinha provas, se mostrou ao longo do tempo ser apenas o primeiro dos incontáveis ataques ao governo reformista do presidente Temer (enquanto houver bambu...), com o intuito de travar o governo e impedir que as reformas, tão necessárias, fossem realizadas. 
 
Sem me deter nas dezenas de interferências, quase todo dia, quando até¨juizecos¨de primeira instância, desbordando de suas esferas de poder, proíbem o Presidente de governar, o impedem de realizar atos que a Constituição Federal prevê que são de sua exclusiva competência, sob o olhar cúmplice e, quando ¨necessário¨, a participação ativa da Dra. Carmem Lucia e alguns de seus colegas.
 
Ontem mesmo o Ministro Barroso, numa atuação completamente descabida, pois o Poder judiciário é um poder inerte, só pode agir quando provocado, partiu pra cima do Diretor Geral da PF exigindo explicações porque o 
Dr. Segóvia teve a ousadia de informar que ¨em tese¨o processo contra o Temer ¨poderá¨ser arquivado pois até agora não se colheu nenhuma prova de que houve a corrupção denunciada pelo Rodrigo Enganot. Segundo o arrogante ministro o Diretor da PF pode ter cometido infração administrativa e até penal. Pode isso, Arnaldo?
 
Nesse cenário todo apenas uma coisa me incomoda: até quando nós vamos assistir inermes a esses quintas colunas, traidores da Pátria com máscaras de Catões Censores, tumultuando a vida política do País? Até quando o silêncio dos bons vai quedar-se frente ao vozerio dos maus?
 




« Leia outros artigos