NA SUBIDA CRISTÃ - Humberto de Campos

Jefferson Severino - 30/01/2018 SC 01571 JP

NA SUBIDA CRISTÃ
Humberto de Campos

 

Filipe, o velho pescador fiel ao Profeta Nazareno, meditando bastas vezes na grandeza do Evangelho, punha-se a monologar para dentro da própria alma.
 
A Boa Nova - dizia consigo mesmo -era indiscutivelmente um monte divino, alto demais, porém, considerando-se as vulgaridades da existência comum. O Mestre era, sem dúvida, o Embaixador do Céu. Entretanto, os princípios de que era portador mostravam-se transcendentes em demasia. Como enfrentar as dificuldades e resolvê-las. Ele, que acompanhava o Senhor, passo a passo, atravessava obstáculos imensos, de modo a segui-lo com fidelidade e pureza. Momentos surgiam em que, de súbito, via esfaceladas as promessas de melhoria íntima que formulava a si próprio. É quase impraticável a ascensão evangélica. Os ideais, as esperanças e objetivos do Salvador permaneciam excessivamente longínquos ao seu olhar... Se os óbices da jornada espiritual lhe estornavam sadios propósitos do coração, que não ocorreria aos homens inscientes da verdade e mais frágeis que ele mesmo?            
 
Em razão disso, de quando em quando interpelava o Amigo Celeste, desfechando-lhe indagações.
 
Jesus, persuasivo e doce, esclarecia:
 
- Filipe, não te deixes subjugar por semelhantes pensamentos. É indispensável instituir padrões superiores com a revelação dos cimos, inspirando os viajores da vida e estimulando-os, quanto for necessário... Se não descerrarmos a beleza do píncaro, como educar o espírito que rasteja no pântano? Não menosprezes, impensadamente, a claridade que refulge, além...
 
- Mas, Senhor - obtemperava o companheiro sincero -, não será mais justo graduar as visões? O amor que pleiteamos é universal e infinito. A maioria das criaturas, porém, sofre estreiteza e incompreensão. Muitos homens chegam a odiar e perseguir como se praticassem excelentes virtudes. Filósofos existem que consomem a vida e o tempo entronizando os que sabem tiranizar. È razoável, portanto, diminuir a luz da revelação, para que se não ofusque o entendimento do povo. No transcurso do tempo, nossos continuadores se encarregariam de mais amplas informações...
 
O Cristo sorria, benevolente, e acrescentava:
 
- Se as idéias redentoras de nossos ensinamentos são focos brilhantes de cima, reconheçamos que a mente do mundo está perfeitamente habilitada a compreendê-las e materializá-las. Não é a coroa da montanha que perturba a planície.  E se obstáculos aparecem, impedindo-nos a subida, estas dificuldades pertencem a nós mesmos. Uma estrela beneficia sempre, convida ao raciocínio elevado; no entanto, jamais incomoda. Não maldigas, pois, a luz, porque todo impedimento na edificação do Reino Celeste está situado em nós mesmos.
 
O velho irmão penetrava o terreno das longas perquirições interiores e concluía, afirmando:
 
- Senhor, como eu desejava compreender claro tudo isto!
 
Silenciava Jesus na habitual meditação.
 
Certo dia, ambos se preparavam para alcançar os cimos do Hermon, em jornada comprida e laboriosa, quando o apóstolo, ainda em baixa altitude, se pôs a admirar, deslumbrado, os resplendores que fluíam da cordilheira.
 
Terminara o lençol verdoengo e florido.
 
Atacaram a marcha em carreiro íngreme. Agora, era a paisagem ressequida e nua.
 
Pequeninos seixos pontiagudos recheavam o caminho.
 
Não obstante subirem devagar, Filipe, de momento a momento, rogava pausa e, suarento e inquieto, sentava-se à margem, a fim de retirar pedras minúsculas que sorrateiras, lhe penetravam as sandálias. Gastava tempo e paciência para localizá-las entre os dedos feridos dos pés.
 
Dezenas de vezes, pararam, de súbito, repetindo Filipe a operação de limpeza e, ao conquistarem as eminências da serra, banhados de sol, na prodigiosa visão da natureza em torno, o Mestre, que sempre se valia das observações diretas para fixar as lições, explicou-lhe brandamente:
 
- Como reconheces, Filipe, não foi a claridade do alto que nos dificultou a marcha e, sim, as pedrinhas modestas do chão.  O dia radioso nunca fez mal. Entretanto, muitas vezes, as questões pequeninas do mundo interrompem a viagem dos homens para Deus, Nosso Pai. Quase sempre, a fim de prosseguirmos na direção do dever elevado e soberano, nossa alma requisita a cooperação dos outros, tanto quanto os pés necessitam da sandália protetora nestes caminhos escabrosos...
 
Toda dificuldade na ascensão reside nos problemas insignificantes da senda... Assim também, na caminhada humana, as questões mais ínfimas, se conduzidas pela imprudência, podem golpear duramente o coração. Observa o minuto de palestra, a opinião erradia, o gesto impensado... Podem converter-se em venenosas pedrinhas que cortam os pés, ameaçando-nos a estabilidade espiritual.
 
Entendes, agora, a importância das bagatelas em nosso esforço diário?
 
O pescador Galileu meneou a cabeça, significativamente, e respondeu satisfeito:
 
- Sim, Mestre, agora compreendi.
 
Humberto de Campos
Psicografia de Francisco Cândido Xavier
Livro: Luz Acima 




« Leia outros artigos