O MISTÉRIO DO TRANSATLÂNTICO SEM COMANDANTE por Humberto Ellery

Jefferson Severino - 08/11/2017 SC 01571 JP

O MISTÉRIO DO TRANSATLÂNTICO SEM COMANDANTE
por Humberto Ellery


 

Meus caros, eu já comentei com vocês o excelente programa da Federação das Indústrias do Estado do Ceará chamado ¨Ideias em Debate¨. Uma vez por mês a FIEC traz para debater conosco, em seu auditório, pessoas da mais alta expressão na política, na economia, no jornalismo, etc.

Um dos melhores de que participei foi conduzido pelo comentarista de economia da Rede Globo Carlos Alberto Sardenberg.

Durante quase duas horas ele abordou o momento político atual discorrendo, de maneira brilhante , sobre a surpreendente recuperação da economia do Brasil. Teceu também considerações elogiosas acerca das reformas aprovadas pelo Congresso Nacional, lamentando inclusive que a crise provocada pelas denuncias da Procuradoria Geral da República tenha, de certa maneira, travado a Reforma da Previdência, cuja aprovação defendeu com empenho. Classificou-a de inadiável.

Durante sua apresentação fiquei meio encafifado por causa de um aspecto, para mim, muito intrigante. Segundo suas palavras o Ministro da Fazenda, o Presidente do Banco Central, a Diretora do Tesouro Nacional, o Presidente da Petrobras, a Presidente do BNDES, e outras figuras formidáveis estavam realizando um belíssimo trabalho, bem como o Congresso Nacional aprovando reformas estruturantes da maior importância. 

Ocorreu-me que as pessoas que ocupavam esses postos no governo anterior são também detentoras de currículos acadêmicos sólidos, invejáveis, com mestrados e doutorados. 
O Congresso Nacional, que impinchou a PresidAnta, é o mesmo. O que ocorreu então para mudar de maneira tão drástica o cenário?

Como eu sou um ¨Velho Marinheiro¨,criei na minha imaginação um cenário naval. O Brasil seria um enorme transatlântico que navegava num mar tempestuoso, fazendo água pelo casco, em meio a um denso nevoeiro, sem força nas máquinas que o levassem a um porto seguro. Sua Comandanta Capitã insistia em navegar rumo à Venezuela, conforme se comentava à época.

Então ocorreu o motim!

Depois de fazer a Comandanta Capitã caminhar sobre a prancha, e cair ao mar, o Imediato assumiu o comando, como manda a tradição naval.

O enorme transatlântico finalmente mudou a rota para um porto seguro, saindo daquele mar tempestuoso e nevoento; o pessoal do Controle de Avarias consertou os rombos no casco; o Chefe de Máquinas comandou Toda a Força Adiante, o que fez o barco navegar pra frente, ainda lentamente por ser grande e pesado, e considerando que antes estava dando marcha à ré (nada a ver com a Gleisi Hoffmann que é outra espécie de ré). 

Acho que vocês já perceberam a origem do meu espanto!
Se o grande transatlântico recuperou uma navegação segura, quem estava no Comando? Quem deu as ordens para o Chefe da Navegação mudar a rota?Quem deu as ordens para o Chefe de Máquinas inverter a rotação dos hélices? (hélice na Marinha é masculino); Quem deu as ordens para a Equipe de Controle de Avarias consertar o casco? Como o Carlos Alberto Sardenberg não citou nenhuma vez o Imediato que foi alçado ao Comando, imaginei que estávamos diante de um grande transatlântico navegando em uma rota segura, mas sem Comandante!

Curioso que sou perguntei ao empresário amigo que estava  ao meu lado o que ele tinha achado da Conferência. A resposta foi contundente: ¨Brilhante. Elogiou o Governo Temer durante duas horas sem pronunciar uma única vez o nome Temer¨. 

Ao final, na fase de perguntas, o debatedor disse ao conferencista: ¨Meu caro eu tenho aqui umas trinta perguntas muito semelhantes que reuni numa só: É pura coincidência o fato de todos os comentaristas, repórteres e apresentadores da Rede Globo terem a mesma opinião negativa sobre o Presidente Temer, e todos, indistintamente, criticarem-no de forma constante e ferrenha, ou existe uma determinação nesse sentido por parte da alta direção da empresa?¨ 
A resposta, em tom solene, foi: ¨Não! De maneira alguma. A a empresa nos dá total liberdade de opinião, a única recomendação é que devemos combater, com todas as forças, a Corrupção!¨

Resposta tão bisonha mereceu educados aplausos de alguns, sorrisos divertidos de outros,  e gargalhadas sonoras dos mais expansivos (eu inclusive).

Mas teve gente que acreditou...

Humberto Ellery  





« Leia outros artigos