NÓS E AS NOSSAS HISTÓRIAS - por Jeff Severino

Jefferson Severino - 27/05/2017 SC 01571 JP

NÓS E AS NOSSAS HISTÓRIAS
por Jeff Severino
 

Todos nós contamos histórias sobre nós mesmos, aquelas que estão dentro de nossas cabeças. 
 
Todo dia. O tempo todo. 
 
Nós sempre estamos repetindo as mesmas histórias.  
 
E essas histórias são simplesmente um conjunto de crenças que, finalmente, nos faz ser aquilo que somos ou acreditamos ser. Ela estabelece as bases para cada ação que nós tomamos na vida. Em essência, construímo-nos fora desta história, um dia de cada vez. 
 
Por um tempo, tudo se alinha muito bem, ou assim parece, e a vida é boa. 
 
Mas, em seguida, em algum momento, talvez em algum momento dos nossos trinta, quarenta ou cinquenta anos, somos golpeados por uma dura realidade que não se alinha com a história que nós construímos sobre nós mesmos. E isso machuca! Como nós lutamos para lidar com a dor que estamos sentindo, batemos diversas vezes com realidades semelhantes. E continuamos assim até percebemos que a história estamos contando sobre nós mesmos e mantendo por tantos anos é a principal fonte da nossa dor, porque as crenças que suportam a história são totalmente e irremediavelmente falsas. 
 
Este é o nosso despertar! 
 
Embora doa no começo, é uma coisa boa a longo prazo. 
 
Nosa história começa a ser reescrita com verdades poderosas. 
 
E nós aprendemos a deixar de acreditar em falsas crenças que nos criaram tantas barreiras, preconceitos... que estão a nossa volta. 
 
Baseado em diversos psicoterapeutas, tem-se a certeza de que 90% dos nossos problemas derivam da infinidade de histórias que imaginamos e contamos a nós mesmos. Olhamos para traz e esquecemos de viver o hoje, que é totalmente diferente.  
 
É errada a crença de que todos os outros sabem o que é melhor para nós - Está na hora de nós ouvirmos a nossa própria alma, a nossa própria voz. 
 
Muitas pessoas ouvem apenas o barulho do mundo e se perdem no meio da multidão. Mas nós podemos e devemos ser diferentes, aliás, sermos nós mesmos! Não assisto muita TV, não vejo BBB, não leio todos os blogs de moda, e não consumo muito notícias da mídia de massa. Devemos encontrar forças para preencher o nosso tempo com experiências significativas. O espaço e o tempo que estamos ocupando neste momento é vida, e se nós estamos nos preocupando como os outros estão, como se vestem, o que fazem, então nós não estamos vivendo a nossa vida, estamos vivendo a vida deles. Isto é absolutamente trágico, é tudo apenas uma distração. O que é real e bom são nossos amigos verdadeiros, nossa família, nosso trabalho, nossos amores, nossos momentos, nossas relações, nossos altos e baixos, nosso aprendizado, nossas esperança, além da nossa fé e sonhos. 
 
Ouçamos o nosso coração.  
 
A crença de que esperar até amanhã faz sentido - Nós sabemos que no fundo a vida é curta, e que a morte virá para todos nós, eventualmente, no entanto nós ficamos infinitamente surpresos quando se trata de alguém que conhecemos. É como subir um lance de escadas com uma mente distraída, e menosprezar a etapa final. Nos esperávamos que houvesse mais um degrau que não existe, então perdemos o nosso equilíbrio, antes de nossa mente perceba esse momento e vejamos como realmente o mundo é. 
 
Verdade seja dita, o dia de hoje realmente não será o de amanhã! E essa realidade precisa ser respeitada. Por que nós não aprendemos a aceitar e apreciar tudo, e tratar cada dia como se fosse a último? Honestamente, o nosso maior arrependimento e não ter vivenciado o hoje vivendo e pensando unicamente no amanhã. Que todos nós possamos dar atenção ao nosso hoje e aprender com ele. 
 
A crença de que o conforto é o objetivo final - Um vício muito popular e prejudicial neste mundo é a nossa eterna zona de conforto da qual a gente nunca quer sair. Muitas pessoas não querem nem fazer perguntas tipo: O que eu devo fazer para mudar? Onde tenho que ir, porque eles sabem que as respostas exigiriam interrupção substancial de sua zona de conforto, e essa gente não quer mudar, não estão preparadas para mudar, não aceitam mudar e insistem fazendo a mesma coisa esperando encontrar ou conquistar algo diferente. Desculpe mas isso não vai acontecer. 
 
Acreditar que o fracasso é o fim e que a nossa vida não tem solução é um tenebroso engano. Você quer saber a diferença entre um mestre e um iniciante? O mestre falhou mais vezes do que o novato que nem sequer tentou mudar pelo mais puro medo. 
 
Entenda que ninguém ganha um jogo de xadrez apenas por avançar suas pedras, geralmente temos que recuar para nós colocarmos em posição estratégica. Geralmente quando quando temos a impressão que estamos correndo em um beco sem saída, é realmente um sinal de que nós não estamos no caminho certo. Talvez tivéssemos que dobrar a esquerda ou direita, Talvez tivéssemos que descer ao invés de subir. A vida gradualmente nos ensina que inversões de direção são permitidas. Então virar quando devemos virar ou voltar não é desistir, mas sim começar de novo! Há três pequenas palavras que podem nos libertar dos nossos erros e arrependimentos passados, e nos levar de volta aos trilhos. Estas palavras são: “De agora em diante ...” 
 
Portanto, de agora en diante vamos repetir essas palavras. 
 
Quando eu comecei a praticar judo, ha longos e longos anos eu aprendi uma lição muito importante. Quando iniciamos esse esporte ganhamos a faixa branca que significa que não sabemos nada. Ao ganhar a faixa preta o mestre disse: "Agora você está apto a começar a aprender". 
 
Vamos entar nos aperfeiçoar para estarmos aptos a aprender. 
 
Namaste !




« Leia outros artigos